A confusão do carteiro que foi parar na Justiça

Lourival, ao chegar em casa, recolheu a correspondência na caixa postal e entre elas havia uma do SPC.

A NET cobrava uma assinatura atrasada num valor absurdo, tipo dois meses de contrato.

Sem pestanejar foi até a gaveta da cômoda e procurou as últimas faturas quitadas. Faltava uma que ele conseguiu comprovar por meio de extrato bancário.

Lourival não quis conversa e foi logo reclamar seus direitos no tribunal. Procurou o juizado das pequenas causas e abriu um processo contra a operadora.

Não demorou muito e a audiência foi marcada.

Frente a frente o Lourival, a juíza conciliadora e três advogados da NET.

Ao terminar a leitura da ação, que pedia um reparo por danos morais, a juíza olha para Lourival e pergunta:

– E a dona Eunice?

– Que Eunice, pergunta Lourival

– A da conta, a assinatura está no nome dela.

Lourival quase teve um troço

– Eunice é a vizinha

– O senhor a representa?

– Nnnnnnão, gaguejou, claro que não

– Mas quem não pagou a conta foi ela e não o senhor

– Doutora, pensei que a conta era minha e não da vizinha, peguei na minha caixa postal e nem olhei para quem era.

– Vamos condenar o carteiro? Questionou a conciliadora

– Pois é, sou leigo.. e no afã da cobrança bateu o ódio

– Não, eu é que sou leiga, sentenciou a juíza que passou um pito no Lourival e dispensou as partes encerrando aí o processo

Lourival saiu cabisbaixo, sem embolsar os recursos da ação e alem de tudo teve que encaminhar um pedido formal de desculpas a operadora.

Ah esses carteiros… murmurava, meio envergonhado, meio aliviado, porque no final das contas não deve um centavo para a NET.

Sofrer por dentro, calado

Pai e filho assistiam na televisão as últimas notícias sobre o pacote do Governo do Estado propondo a extinção de fundações e autarquias no Rio Grande do Sul, quando o pai não se conteve e largou um sonoro – CRÁPULA.

Com olhar surpreso o filho indagou:

– Porque você votou nele então?

– Porque ele disse que ia mudar

– O quê?

– Tudo meu filho, tudo

– Mas ele tá mudando, cumprindo com o que prometeu

– Mas não deste jeito

– Mas ele explicou o jeito que ia mudar?

– Não filho, não explicou

– Então porque você votou na proposta dele?

– Porque ele me fez pensar assim, mas agora vi que fui enganado

– Mas lá na tua repartição todos votaram nele também

– Sim, a maioria prá não dizer a totalidade

– E agora ele vai acabar com a fundação onde você trabalha e ainda vai te mandar embora

– É o que andam dizendo filho

– Você sempre reclamou do teu salário mesmo, qual é o problema?

– O problema é que vou ficar sem salário embora fosse uma merreca

– Mas você disse que ultimamente não via a cor do dinheiro

– Não, eu não via a cor do salário porque o dinheiro vem em conta-gotas, parcelado

– Mas ele prometeu na campanha que ia parcelar os salários?

– Não, ele não prometeu, aliás, não prometeu nada, não apresentou plano algum

– E vocês votaram nele mesmo assim…

– É filho, foi um lapso

– A tia Veroca bem que avisou

– Mas ela é petralha

– Mas os petralhas não parcelavam os salários

– Sim, isso é verdade, todo o final de mês tava lá na conta, valor integral

– Mas lembro que você vibrou quando o deputado Jardel votou pelo aumento de impostos para pagar em dia os salários dos servidores

– Não lembro disso meu filho

– Sim, você gritou aí nesta mesma poltrona que foi mais um golaço

– Ah, força de expressão porque ele foi meu ídolo no Grêmio

– Você votou nele também, não votou?

– Sim, votei

– Nessa ele errou o cabeceio como diz a tia Veroca, os salários continuam batendo na trave e respingando na rede

– Pois é!

– E agora pai, como vamos sobreviver?

– A gente dá um jeito

– Vou ter que sair da escola particular?

– Era o que eu iria mesmo te falar, temos boas escolas públicas

Aí entra o noticiário nacional da televisão anunciando que o Governo Federal assina medida provisória com mudanças na política para a educação

Os dois ouvem calados que, entre outras coisas, o ensino gratuito deixa de ser prioridade

O pai sofre calado, olhando o boneco do pato na mesa de canto da sala, o nariz de palhaço e a máscara do japonês da federal, que usou nas manifestações a favor do impeachment, dependurados na parede

Na manhã seguinte o filho sai para arrumar um emprego, já com planos de abandonar o ensino fundamental.

 

 

Memórias de um guri letrado na Cartilha do Guri

As tardes na infância eram longas, os dias eram intermináveis, as semanas demoravam meses, os meses em anos e os anos pareciam séculos que não acabavam mais. A transição no calendário era demorada, a folhinha das datas custava cair. O outono era outono, inverno era inverno de verdade, a primavera tinha jardins imensos nos canteiros da frente ou ao longo do patio das casas, formando corredores que iam da porta de entrada ao portão da estrada.

A grade mesa de madeira nobre, um angico ou talvez um louro ou grápia, ocupava maior parte da varanda, rodeada com cadeiras de palha de junco, ou de balanço, de vime trançada, que rangia conforme o peso de quem nela se acomodasse para uma cesta depois do almoço.

As tardes de segunda e de terça eram preguiçosas e mormacentas. O ar parado concentrava de forma, ás vezes irritante, o canto das cigarras nas cerejeiras, num zunido ensurdecedor. A vaca mugia no pasto chamando a cria para aproveitar a sombra de um cinamomo e se proteger do sol que castigava várzeas e coxilhas. O calor que evaporava da terra formava uma espécie de labareda por onde cruzavam formigas cortadeiras que levavam para um ninho próximo as folhas de uma grande roseira branca que se erguera na coluna de madeira e se debruçara de um lado ao outro do oitão da casa.

Debaixo de um pé de plátano as galinhas e os galos descansavam acomodados no vão das raízes enquanto as ninhadas de pintos de duas ou três semanas caçavam insetos num tapete de avencas esparramadas no barranco perto do rio. A água corrente e barulhenta do lajeado de pedras era um convite a não fazer nada.

O lanche da tarde era uma fatia de pão de trigo ou de milho,queijo,salame, um naco de doce de pera e limonada. Biscoito de manteiga e bolachas cobertas de glacê, salpicados com açucar colorido eram reservados para as visitas.

Na cabeceira da mesa a varanda, um menino de suspensórios e cabelo cortado ao estilo cadete tentava concertar a capa solta da Cartilha do Guri. Usava o pegajoso âmbar recém extraído do tronco de uma ameixeira para colar as partes que se soltaram. Era uma cola natural e eficiente também para selar envelopes de cartas.

As 54 páginas da publicação das edições Tabajara de 1962 eram intermináveis e um grande desafio para quem estava iniciando nas letras. Era pela cartilha que se transitava entre as hipóteses de escrita pré-silábica, silábica e, com muito custo, mal se chegava ao nível silábico alfabético. Era um ano inteiro tentando entender o que se passava naquelas folhas escritas, pontuadas e desenhadas. Escrever bola e bota era uma enorme dificuldade. Como que dois objetos diferentes tinham escritas tão iguais?

Pato e pote então era um martírio, mas ficava mais fácil entender quando se associava que o pato come no pote. Estas comparações, no entanto,não serviam para boi e formiguinha. O boi enorme tinha só três letras e a formiguinha era uma carreirinha sem fim. Ficava mais fácil aprender que a palavra era compridinha quando se cantava – a formiguinha vai na carreirinha levar comidinha pra sua filhinha –

Calculo que os professores e pesquisadores da escrita aprovariam esta musiquinha da formiguinha no processo de alfabetização guris e gurias preguiçosos em sala de aula. Também era uma forma de despistar as tardes de sono em cima da cartilha e do caderno sobre a mesa na varanda do casarão de madeira onde nenhuma brisa soprava para refrescar a memória ou acender os ânimos da pobre criança que suava para aprender o bê-a-bá.

As mães e as tias mais velhas, pouco letradas tentavam dar uma forcinha e soletravam letra por letra em voz baixa até formarem uma palavra. Assim, Olavo era desmembrado em: O – l – a – v – o, que virava: Oooola-vo, pra finalmente se unir numa só, e Olavo virava motivo de orgulho para quem pronunciava por inteiro. As frases formadas por meia dúzia de artigos e palavras eram tão demoradas para serem decifradas que quando chegasse à última, a pessoa já tinha se esquecido da primeira. Dava tempo de correr para tomar um banho no rio e voltar.

Se havia dificuldade em aprender a ler e a escrever com tanta coisa a observar ao nosso redor, tínhamos ao menos, a convicção e a certeza que as flâmulas na parede da sala pertenciam ao Internacional, o Palmeiras e o Vasco da Gama os times de coração do meu pai. E no alto da porta da varanda uma faixa bordada em tecido anunciava que “Nesta casa mora um casal feliz”. Não se sabia o significado das letras, nem se elas estavam em ordem dentro da frase, o importante é que todos pronunciavam o que estava escrito com a maior perfeição do mundo.

Só resta agradecer as professoras Lia de português e Rita de matemática e pra não esquecer repetir a máxima de criança que não gostava da escola e fazia rima pra passar o tempo:

“Se lia na aula da Lia e se irrita na aula da Rita”.

Muito obrigado às duas que marcaram a infância de guris e gurias em cima de cartilhas e de cadernos pautados e quadriculados. Vocês foram nossos guias.

Rap da PEC e das ocupações

 

                 RAP DA PEC

Nós não queremos – a PEC opressora

Que exclui o aluno – e a professora

 

Escolas de arte – e de filosofia

Escola de música – e de sociologia

Escola do campo – escola da terra

Escola urbana – e da periferia

 

Resistiremos – não vem, não insiste

Não recuaremos – a luta persiste

É nosso direito – a lei nos permite

 

Não privatize – a educação

Nós não queremos – as tuas lições

Nem tua presença – nas ocupações

 

 

Inter busca titulo inédito

É muita teimosia por metro quadrado. O seu Roth veio para buscar um titulo inédito para o internacional, mas acho que ele não terá esta competência toda. Enfim, não ter plantel é uma coisa, não saber escalar é outra. O consolo dos colorados é que temos o Ânderson, especialista em série B.

Boa viagem pelos gramados brasileiros nunca antes pisados, pelo Campeão de Tudo. Piffero, te iguale ao rival e busque este tão sonhado titulo que falta para o clube, porque entendemos que, na tua avaliação, este é mais fácil de buscar, se não cruzar com o Mazembe é claro. .

Vá se seja feliz com o teu amado técnico e o teu amado atleta do coração.

O torcedor fez a sua parte, mas vocês estragaram tudo.

Parabéns!

Faculdade de Educação da UFRGS ocupada

No final da manhã desta segunda-feira (31/10) após assembleia no pátio da Faculdade de Educação da Ufrgs, estudantes decidiram ocupar o prédio da Faced em protesto contra a reforma do ensino médio que, grosso modo, vem para preparar o aluno para o mercado de trabalho deixando de lado os temas e conteúdos necessários a formação cidadã, um retrocesso que, mais ou menos, remete ao tempo das Capitanias Hereditárias

faced-ocupada

O movimento estudantil ocupa mais de mil estabelecimentos de ensino em todo o Brasil – Escolas e Universidades (dados do jornal hoje da Rede Globo em 26/10), o que fez alterar, inclusive, os locais de votação nas cidades que tiveram segundo turno nas eleições de ontem.

Com a ocupação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Campus Centro,  sobe para dois o número de prédios ocupados na Ufrgs, o outro é o Instituto de Letras no Campus Vale.

Esta ocupação, no entanto, deve demonstrar toda a resistência estudantil para as questões que envolvem a educação, afinal nos dois prédios ocupados passam futuros educadores que se mobilizam cedo para evitar o retrocesso que se avizinha. Mas é importante lembrar o que me parece ser o desejo dos estudantes, que para o movimento de luta ganhar apoio dentro da Universidade, deve se manter fiel à pauta e manter o foco na comunidade acadêmica, não permitindo que qualquer tipo de partidarização ou ideologia politica se instale no movimento. Caso contrario cai o conceito.

O problema do Inter não é o Celso Roth

 

Tem quem teve a coragem de insinuar que a vergonhosa atuação do Inter, no jogo do Beira-Rio neste sábado, contra o Santa Cruz, pudesse ter passado pelos pés do William. Primeiro porque nenhum colorado soube ao certo qual era a posição do jogador na partida. Vi ele jogando mais como centroavante, pasmem, um lateral-centroavante é o – dois em um – inventado pelo técnico que também inventou contra o Mazembe e que entregou o segundo titulo mundial de mão beijada e com um pedido de desculpas.

O William não tem culpa de nada, ele virou um coringa do técnico Celso Roth que para não dar oportunidade ao Seijas, talvez por questões pessoais, improvisa um lateral no ataque. Vi o William apoiando na sua posição de origem e vi o Willian tentando fazer gol, e quase marcou, não fosse a bela defesa do goleiro pernambucano.

O inter perdeu feio, sim, perdeu, pois empatar com o lanterna do brasileirão em casa com 35 mil colorados no estádio é sabor de derrota.

Aí vai culpar o técnico, o Eduardo Henrique que foi expulso? Não é bem assim. Vaiar faz parte do jogo e está no contrato tanto do técnico como do jogador. O Roth não tem culpa, culpado é quem o contratou.

 

É uma aventura andar de ônibus em Porto Alegre

Embarco num ônibus da linha Assunção por volta das três horas da tarde, para fazer o trajeto Câmara/Mercado Público de Porto Alegre. Caminho curto de cinco paradas ou nem isso. Noto uma delicadeza incomum do cobrador/trocador com os passageiros, avisando que mais adiante tinha a curva do gasômetro e que tomassem cuidado.

Ao chegar no terminal da Uruguai o motorista teve todo o cuidado para estacionar, transportava o carro com mãos de pelica, manobrava o volante na ponta dos dedos e não abriu a porta sem que o ônibus estivesse devidamente estacionado. Uma mulher chegou a reclamar que perderia o outro transporte se o motorista não liberasse a saída.

Fiquei imaginando se esta era uma norma da empresa, talvez negociada num acordo de greve, ou se de uma hora para a o mosquito das boas maneiras tivesse picado a tripulação.

Ao descer, descobri o motivo de tanto cuidado e delicadeza. Dois azuizinhos* estavam dentro do coletivo e pareciam desconfortáveis com aquela repentina tomada de consciência com a etiqueta social, porque também precisavam descer e o gentil condutor não abria a porta porque o ônibus da frente não lhe deu meio metro de espaço para que o ônibus fosse devidamente acomodado na plataforma.

Fiquei imaginando como a cidade será diferente se todos fizessem assim e até chequei a pensar que havia realizado um sonho de embarcar num transporte público de qualidade.

Meia hora depois retorno para a Câmara, vou ao mesmo terminal e embarco desta vez num coletivo da linha Pereira Passos.

O motorista se mostrava ansioso porque os passageiros demoravam para embarcar, já que a roleta não suportava a demanda. Pedia para darem lugar na porta e fechou-a sem que a última bunda tivesse deixado totalmente a plataforma, espremendo as nádegas do último camarada a embarcar.

Ao dobrar a esquina da Uruguai para ingressar na Mauá, vi que o meu sonho de transporte público de qualidade não durou meia hora.

Os passageiros em pé caíram sobre os sentados e um senhor de idade chegou a perder o boné. Foi um strike.

Uma senhora pediu calma e recebeu como resposta do motorista um: “estamos atrasados”. Ninguém mais se manifestou. Seguiram-se freadas e arrancadas espetaculares no caminho de quatro paradas até o Parlamento. Uma mãe segurava firme uma criança de três ou quatro meses para que ela não batesse a cabeça no banco da frente. A barulheira da carroceria era ensurdecedora e ao menos as janelas abertas compensavam a falta de ar condicionado no coletivo. Corri o olho a procura de um azulzinho, mas só vi um gremista, com fardamento tricolor se equilibrando para não despencar na parte rebaixada do coletivo, para onde um colorado já tinha escorregado e procurava se levantar.

Os passageiros não demostravam lá muita indignação embora pareciam atordoados. Cada qual procurando um lugar para sentar na esperança de chegar inteiro no seu destino final.

*Azuizinhos – da guarda municipal de Porto Alegre, fiscais da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC)

Memórias da copa de 70 e a despedida do capitão

Assisti a copa do mundo de 1970 numa TV preto e branco. Era uma Admiral instalada sobre uma prancha de madeira no alto da parede do bar do Renato que ficava no centro da cidade de Colorado no planalto gaúcho.

O sinal da TV era ruim, tinha “chuvisco” e vez que outra, conforme batia o vento minuano do inverno de julho, a antena saia do lugar e era preciso redirecioná-la para a outra antena, a da repetidora, que ficava no alto da torre da igreja.

Para dar uma melhorada na imagem emoor emoção na tela, colocavam-se tiras de papel celofane verde e amarelo o que dava a impressão de uma imagem colorida. Era um verdadeiro avanço, uma tecnologia de vanguarda que se comprava na livraria.

O escrete brasileiro entrava em campo e toda a gurizada se acomodava nas cadeiras de palha do bar e no mais profundo silencio acompanhava a narração do Geraldo José de Almeida. Em campo desfilavam Pelé, Félix, Tostão, Jairzinho, Gerson, Rivelino, Edu, Fontana, Clodoaldo, Piazza e o capitão Carlos Alberto Torres enfrentando figuras lendárias como peruano Cubillas, o uruguaio Mazurkiewicz, alemães como Gerd Müller e Beckenbauer ou ainda Mazzola e Boninsegna da Itália, Bobby Charlton da Inglaterra entre outros.

Na final contra a Itália o Pelé serviu o capitão Carlos Alberto que selou a vitória de 4 a 1, conquistando o tricampeonato mundial de futebol dando um alivio à tensão dos brasileiros. É que omoais vivia sob o regime de exceção dos militares comandados pelo presidente Garrastazu Médici, gaúcho de Bagé, que antes da copa fez com que o técnico João Saldanha, outro gaúcho, mas de Alegrete deixasse o comando da seleção. Médici queria que Saldanha convocasse Dario para a copa do México, mas Saldanha não aceitou, desobedeceu a ordem do general e foi demitido, cedendo o seu lugar ao Zagalo. Coberto de razão João Saldanha desabafou: “O general nunca me ouviu quando escalou o seu Ministério, por que, diabos, teria eu que ouvi-lo agora?”

Mas o time base do Saldanha foi quem trouxe a copa do mundo para o Brasil, e nele estava Carlos Alberto Torres. É mais uma lenda que tomba, como tantas outras do nosso futebol. A seleção de São Pedro recebe um grande reforço. Se ele foi cedo é sinal que o elenco lá de cima precisava de um comandante e o “capita” embarcou para sempre.

Reservas de luxo

A vitória por 2 a 0 contra o Santos na noite desta quarta-feira no Beira-Rio teve um destaque que quase passa despercebido, o retorno do lateral Jefferson que, com atuações irregulares, ficou um bom tempo de molho na reserva.

Laterais como Ceará e Jefferson e uma zaga que tem Alan Costa, Ernando e Eduardo Henrique mais um guardião chamado Danilo Fernandes, pode se afirmar que a meta está bem protegida especialidade do técnico Celso Roth adepto ao modelo “retranquinha amiga”.

Trata-se de feras dotadas das armas necessárias para abater qualquer presa, seja um peixe no fundo do rio ou um azulão que se  arrisca num vôo kamikaze.