Antero do Quintal

 

O pai levou o peru para casa ainda pequeno. Mais parecia um frangote solto no pátio misturado aos pintos e às galinhas. Cresceu e virou o xodó da família, ganhou um nome, criou penas, crista e peito, exibia um rabo feito leque quando  sentia ameaçado. Chegou a despertar ciumeira no galo por seu porte avantajado e olhar superior, mas nunca foi desafiado.

As crianças corriam atrás dele e vice-versa, respondia a cada assovio, ou quando aos berros, o chamavam pelo nome de Antero. Era uma alusão ao poeta português Antero de Quental, o preferido da mãe no curso de letras, só que no caso do peru o Antero era do quintal.

Na véspera do Natal o Antero ficou diferente, apresentava sinais de fadiga, perdeu a fome, cambaleava pelos cantos e tinha um glu-glu distorcido, um cantar desafinado. Agia de uma maneira estranha e dormia grande parte do dia; estava com os dias contados.

Naquela noite o pai chegou trazendo um peru para a ceia, só que desta vez assado, pronto para ir à mesa. As crianças que tinham passado o dia na casa da avó chegaram de banho tomado.

Depois dos presentes, o peru no cento da grande mesa da sala, enfeitado com as guarnições era uma tentação. Porém, antes e atacar peitos e coxas o filho mais novo resolveu chamar o Antero para participar do jantar, foi quando ouviu do pai que o Antero já estava na mesa.

Entre protestos de soluços e lágrimas das crianças o pai tentava se explicar que este era o fim de qualquer peru, apelando inclusive pela natureza no bicho, dizendo que ele cumpriu sua missão na terra e com certeza estaria orgulhoso por fazer parte da ceia, presente de tronco e membros, já que a cabeça ficou no açougueiro quando foi deixado pela manhã antes de ir para o forno da padaria.

A filha do casal que não tinha lá muita afeição pelo Antero porque uma vez ele avançou no seu sanduíche de mortadela, também apresentava sinais de reprovação e questionou os sintomas que ele vinha aparentando nos últimos dias.

O pai explicou que aquilo não era doença e sim o efeito da cachaça que administrava em doses homeopáticas para amaciar a carne do peru antes do abate.

Sem tocarem num único grão de farofa, todos abandonaram a mesa tornando o clima da noite feliz em noite de pesadelo.

… no dia seguinte com profundo pesar e um clima nada favorável ao pai, Antero foi enterrado no fundo do quintal, acompanhado de todas as guarnições daquela ceia de natal.