Se vale pra Chico vale pra Francisco

A grande mídia, por interesse ou por descuido, fez uma tremenda confusão em relação a aprovação do teto na Câmara, na quinta-feira passada.
O que aconteceu foi o seguinte:
O prefeito cortou o salário dos servidores públicos com dedicação exclusiva que ele mesmo estabeleceu por decreto. Se é por decreto, não está na constituição. O teto estabelecido foi de R$ 19 mil aos servidores de carreira, portanto, concursados.
Ao mesmo tempo o prefeito mandou para a Câmara um projeto que dá gratificação para três secretários (Parcerias Estratégicas, Saúde e Fazenda) na ordem de 70% de R$ 13 mil, mais o salário da origem, sem teto. Tem salário que chegaria a R$ 38 mil.
A Câmara estipula que há teto em Porto Alegre e ele está na constituição do estado e vale para todos.
Foi isso que ocorreu.
Cumpra-se a lei que é esta aí: § 12 do artigo 37 da Constituição Federal inserido pela emenda 47 de 2004. Implantado no Rio Grande do Sul através de emenda a constituição do estado de nº 57 de 21/05/2008 que definiu o limite único como teto do funcionalismo, o subsidio do desembargador.
Vale para os três poderes.

Botando a carroça na frente dos bois

Os senhores da capa preta andam pisando na barra da toga, engolindo a saliva e beijando o chão.

Um procurador do Ministério Público Federal, adepto às  plataformas digitais, monta um PowerPoint para desmascarar um ex presidente. Uma roleta russa onde o alvo era a cara do cara.

Começo a pisar na barra da capa preta e se desequilibrar perante a opinião pública. O show não é função dele. O palco é dos réus e não dos senhores da lei.

O mesmo procurador, Deltan Dallagnol, tempos depois, se adiantou à instituição superior, deu o passo maior que a perna e foi ao chão, sem nem mesmo pisar na barra da capa.

Foi fazer uma média com o superior, o chefe se zangou e soltou o Zé Dirceu.

Agora é a vez do Juiz de Direito dar seu show. Sérgio Moro quer porque quer ficar frente a frente com o ex-presidente Lula, olhar no olho, mesmo que para terminar a sessão sem arrancar contra ele.  E Le não precisa disto, mas acobertado pela grande mídia não vai, de forma alguma, dispensar os holofotes.

A reforma de um apartamento ou um sítio em Atibaia é café pequeno perto de tudo o que puseram as mãos, mas o Juiz insiste na tecla. Prefere investigar a chinelagem em detrimento aos verdadeiros ladrões que estão aí, soltos, no comando da nação.

Os ladrões de galinha sempre levaram a pior enquanto os Eikes faziam fortuna em obscuros negócios. É fácil identificar quem afana uma penosa no escuro, porque as demais galinhas acusam as irregularidades no galinheiro para que os cães de guarda ajam de forma rápida e eficaz para evitar que o larápio fuja do telhado.

Já os gatunos, também conhecidos pelas alcunhas de gato fino ou colarinho branco mandam prender o larápio, para dar o exemplo em nome da moral e dos bons costumes, fazem o que chamam de chinelagem desocupar suas terras para dar lugar a grandes empreendimentos e sentam o porrete no colono que se recusa a deixar seu espaço, tudo em nome da democracia. Aliás, desde quando os poderosos dependem da democracia?

Enfim, como disse um frade certa vez quando decretaram o estado laico e mandaram retirar os crucifixos das repartições públicas. Quando questionado respondeu:

– Eu não quero ver um crucifixo dentro do congresso, ou de uma delegacia, ou de um tribunal, ou de um hospital, ou em qualquer lugar onde a lei não é cumprida e os direitos humanos não são respeitados.

A Justiça continua atuando a serviço dos poderosos e os poderosos são, comprovadamente, criminosos. Neste ritmo de trapalhadas Dallagnol soltou Zé Dirceu e Moro vai eleger o Lula. Só que esta parte do show não estava no script.

Azarildo não decla a previdência no Imposto de renda

 

Azarildo bem poderia ser irmão, primo ou um parente qualquer do Sofrenildo, personagem criado pelo cartunista Sampaulo.

Véspera da data limite para declaração do Imposto de Renda, não conseguiu acessar o comprovante de aposentadoria da Previdência Social. Aparecia no alto da tela uma mensagem que dizia: “Beneficio inconsistente ou não possui crédito no ano calendário informado”.

Foi ao posto do INSS localizado na Travessa Mário Cinco Paus, no Centro de Porto Alegre, entrou na fila e na sua vez, solicitou a atendente uma cópia para que pudesse abreviar seu calvário.

Já de saída, ao explicar o que estava ocorrendo foi bruscamente interrompido:

– Documento

Depois de teclar e perguntar pelo menos umas três vezes o nome da mãe a atendente disse que estava tudo normal.

– Os dados estão corretos

– Tudo bem, respondeu Azarildo, mas aparece este recado aqui, no alto da tela, fiz uma cópia aqui no celular…

A atendente não quis nem olhar e já foi dispensando o pobre coitado.

– A senhora poderia, ao menos, me fornecer uma cópia, para o caso de eu não conseguir acessar em casa?

A resposta foi um NÃO seco.

– Procure entender, amanhã tem greve geral e vocês vão parar

– Com certeza

– E se eu não conseguir acessar e continuar aparecendo este recado…

– O senhor vai conseguir sim

– E se não der?

– Vai dar

– Mas uma cópia, a impressora está atrás de você…

– Eu não acessei o seu extrato, só conferi os dados

– Mas os dados sempre estiveram certos nunca deu problema, o problema é…

Ela interrompe bruscamente e vira-se para a colega ao lado

– Ele quer uma cópia

– Não dá, respondeu a colega.

Nunca se soube direito, no entanto, se este NÃO DÁ é o verbo dar ou se não daria mesmo para imprimir por questões operacionais.

A indagação ficou no ar.

Retornou para casa, acessou a página e lá estava o mesmo recado de sempre

Não conseguiu declarar a previdência no Imposto de Renda.

O que ficou claro para o pobre Azarildo ao sair da agencia, foi a certeza de que a reforma da previdência não deve ser das aposentadorias, mas dos seus servidores.

Na semana seguinte foi ao posto do Partenon e conseguiu na hora a cópia que tanto precisava.

Desta vez teve a convicção de que nem todos os servidores precisam de reforma.