Era para ser 7, foram 4, contra 9, mas senti firmeza no 47.

O jogo Inter e Náutico na tarde deste sábado no Estádio Beira Rio em Porto Alegre teve um ingrediente raro no futebol, foram quatro pênaltis bem marcados, dois tiros livres desperdiçados e um gol mal anulado contra um time em frangalhos. O inter não jogou bem, mas goleou o time do Recife num jogo encardido onde o palpite e o palpitar cardíaco subiam e desciam a cada minuto do jogo. Tudo levava a crer que seria uma goleada histórica, mas, logo no início o juiz da partida, que não apitava um jogo de futebol desde fevereiro, anulou um gol legítimo colorado. O bandeirinha sinalizou mal e o árbitro assumiu o erro e penalizou o time gaúcho.

Agora, o mais incrível foi a quantidade de pênaltis no jogo, foram quatro, bem marcados pela arbitragem e o inter não soube aproveitar dois. Resolveu fazer um rodízio de batedores. Pottker (88), marcou o primeiro, D’Alessandro (10) o segundo, os dois gols foram de canhota. Aí na terceira cobrança o ponteiro da roleta cravou no 77 e Marcelo Cirino bateu de direita nas mãos do goleiro Tiago Cardoso. Para reparar o erro no quarto pênalti a roleta foi abandonada e a escolha recaiu novamente no 88. Pottker mudou o estilo de cobrança e o goleiro defendeu. Carlos (11), já tinha marcado o primeiro gol, e Cirino para se reconciliar com o torcedor fechou a goleada de 4 a 2, sim, porque mesmo com nove jogadores, o Náutico conseguiu fazer o segundo gol e encostar no Inter quando o jogo estava 3 a 1. Poderia ter marcado sete gols em cima do time que sempre foi uma aflição para o rival, mas o goleiro adversário foi mais competente. Léo Ortiz que não perde a mania de, na sorte, dar balão para a frente, ao invés de armar o jogo foi quem armou o segundo gol do Náutico.

Mas, em meio a tudo, surgiu uma esperança que entrou nos últimos quinze minutos do jogo e em menos de quatro em campo, tinha chutado duas vezes contra a meta do Náutico e sofreu o último pênalti. Juan, o 47, que veio da base e fez a sua segunda partida entre os titulares, é a esperança  colorada na temporada. Gira a bola e distribui o jogo tal qual D’Alessandro. Senti firmeza, este promete.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *