Um museu do pão bem perto da gente

Se você perguntar ao Google quantos museus do pão existe no mundo, de cara ele vai direcionar para o da freguesia de Seia em Portugal. Mas olhando bem e correndo a tela, ainda na primeira página, aparece o museu do pão do município de Ilópolis no Rio Grande do Sul. O de Seia eu não conheço, embora tenha passado por ele duas vezes, uma subindo e outra descendo a Serra da Estrela, degustando queijos de ovelha numa tarde de intensa nevasca.

Já o museu do pão de Ilópolis eu conheci quase que por acaso. Conversando com a Béi da floricultura que também é vereadora, relatou com entusiasmo a atração do lugar, uma preciosidade guardada na cidade, que eu ouvia falar mas não sabia que ficava lá.

– O museu do pão é aqui?

– Sim, depois da praça pega a direita, anda duas quadras, na esquina.

moinho 3

Um moinho, construído em 1930 pelo carpinteiro Garibaldi Bertuol, era movido a vapor e todo o maquinário está lá. O curioso é que a menina que guia os visitantes jurou que o equipamento ainda funcionam.

moinho 1

Ao ver o bom estado de conservação eu não titubeei e mesmo sem a pedra mó em movimento, posso atestar que ela está falando a verdade.

moinho 2 Afinal eu me criei, quando criança, moendo quirera num moinho na cidade de Colorado, o que me atesta um certo pedigree de conhecimento.

museu do pão 2       Museu do pao 1

O museu, instalado no antigo depósito de grãos da  moenda, oferece um passeio, por meio de maquinários e assessórios, desde o plantio do trigo ou do milho até o pão chegar na mesa.

OFICINA: Todas as sextas feiras pela manhã tem curso de panificação, de graça.

museu do pçao 3

Da próxima vez vou mais cedo para tomar o meu café da manhã com um pão feito a capricho com as minhas próprias mãos.

É preciso madrugar porque Ilópolis fica a quase 200 quilômetros de Porto Alegre, ou dormir por lá.

ROSA DOS VENTOS: Um detalhe, você anda pela cidade ouvindo música ao longe que se espalha em todas as direções. São louvores transmitidos pelos alto-falantes da igreja Matriz. Sim, em Ilópolis sobrevive a voz do poste.