Sua majestade, o veneno

 

No RBS Noticias da TV o desespero dos produtores de vinho e azeite de oliva com o veneno 2,4 D, usado nas lavouras agrícolas antes de serem plantadas. O vento carrega a morte de milhares de parreiras e oliveiras. Acompanhei a luta dos produtores para introduzir do meio do Rio Grande do Sul para baixo, novas culturas de sustentabilidade para pequenos e médios produtores.

Foram décadas de pesquisas e experimentos destruídas por aviões envenenados a serviço da ganância do agronegócio. Só num município, Jaguari, a produção de uva caiu de hum milhão para 450 mil toneladas e este ano a previsão é que a quebra seja de mais 30 por cento.

O que se esperar de um país em que a rainha do veneno é a futura ministra da agricultura?

A tão famigerada economia desta parte do estado pode acabar em abandono da produção de vinho e azeite de oliva. É só mais um sinal da cegueira que se institucionaliza governo após governo, modelo passado adiante cada vez com mais agressividade. Os venenos banidos dos países ricos são jogados nos campos do Brasil, com rainha e tudo.

Esta é a mudança.

 

Autor: flaviodamiani

Jornalista, cronista, mora em Porto Alegre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *