Um gremista do bem

Convivi com o Frecha Negra nos meus tempos de Câmara de Porto Alegre. Solícito, simples e de boa prosa. Diabético e fumante. Alma sem maldade assim como era dentro das quatro linhas do gramado. Não jogou no meu time porque não quis, o Colorado, com certeza, teria sempre uma camiseta e um lugar reservado no campo para ele.

O Flecha ou Flexa, como queiram, porque sempre escreveram dos dois jeitos, deixou um legado para as novas gerações do futebol. O mineirinho leve, de futebol leve, de chute não muito leve, de peso leve, que Deus o leve. Vai em paz Tarciso, o futebol perde um jogador, o parlamento um vereador.

Autor: flaviodamiani

Jornalista, cronista, mora em Porto Alegre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *