Rede Havan é denunciada por intimidar funcionários

 

O Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina ajuizou ação civil pública cobrando R$ 25 milhões em indenizações contra a rede Havan, acusada de intimidar funcionários a votar no então candidato à presidência Jair Bolsonaro.

O montante pode chegar a R$ 75 milhões pois o MPT pede indenização de cinco mil para cada funcionário.

Segundo a Procuradoria, o empresário Luciano Hang, dono da Havan, teria declarado diversas vezes que fecharia milhares de postos de trabalho caso Bolsonaro perdesse as eleições.

Uma das ameaças era a de que o funcionário não teria acesso ao sistema da empresa enquanto não respondesse uma pesquisa sobre em quem iria votar nas eleições.

O valor da indenização corresponde a pouco mais de 1/4 do preço pago por Hang na compra de um avião particular avaliado em quase R$ 250 milhões

O dono da Havan também é citado em reportagem da jornalista Patrícia Campos Mello, na Folha de S.Paulo por integrar um grupo de empresários que contratou  empresas para disparar fake news contra o PT para a campanha de Jair Bolsonaro. A prática é ilegal, pois se trata de doação de campanha por empresas, vedada pela legislação eleitoral, e não declarada.

Segundo a reportagem, os contratos chegaram a R$ 12 milhões.

Autor: flaviodamiani

Jornalista, cronista, mora em Porto Alegre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *