É preciso separar o bem do mal

Há de se entender a revolta das pessoas de bem contra o juiz paladino e seu fiel escudeiro, um procurador da república, mas o que eles fizeram e fazem por debaixo dos panos não é regra institucional. MP e Judiciário não podem ser pré-julgados pela balbúrdia deles e dos seus rebanhos.

Antes de jogar fora o cesto de laranjas, separe as boas das podres. As piores sempre estarão agindo às escondidas procurando contaminar o balaio.

Você sairá no lucro.

Autor: flaviodamiani

Jornalista, cronista, mora em Porto Alegre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *