Um Prometeu às avessas

O asseverado Bolsonaro, um Prometeu tupiniquim, nada comparado ao titã grego, prometeu acabar com privilégios e acabou com o horário de verão.

Prometeu acabar com o PT e acabou com seu próprio partido.

Prometeu acabar com os altos salários e acabou com o salário mínimo.

Prometeu prioridades aos trabalhadores, acabou com o emprego e a aposentadoria.

Prometeu o fim da mamata e acabou com a maminha.

Promete acabar com a pobreza… classe média, abra o olho com este cara aí.

Prá pensar – Como alguém que foi um completo fracasso até os 30 anos de idade se tornou um homem com poder para matar milhões e deixar a Europa em ruínas? Refiro-me a Hitler, o líder nazista que preferiu acusar sua avó de chantagem sexual a admitir que pudesse ter sangue judeu. Também não batia bem.

 

Quando as árvores de Natal eram de verdade

 

O Natal da minha infância em Colorado, tinha cheiros característicos, o da barba de pau umedecida e o da resina da araucária. A mãe mandava que eu fosse passear num certo dia de véspera e ao regressar, ao por o pé na soleira da porta, era tomado por um ambiente com o aroma da mata. Na sala de casa tinha uma árvore de natal me esperando com uma estrela no alto, e envolvida num manto de delicadas esferas coloridas e ninhos abandonados de pássaros que ficaram dependurados nos galhos das laranjeiras, às vezes algum vinha acompanhado de um ovo que não vingou.

No sopé se alastrava um projeto arquitetônico da mãe para os filhos. Ali estava o espírito de alguém com alma de criança dando forma aos detalhes. A disposição de cada item da criação tinha um significado, uma finalidade e uma direção. Todos os caminhos levavam à manjedoura onde estava uma criança, símbolo da natalidade entre as civilizações da terra, exemplo de fé, de paz e de esperança.

É raro ver uma mãe enfeitando uma árvore de verdade com a delicadeza de antes. Hoje, o arcabouço vem com código de barras.