Torcidas do Internacional e do Flamengo engrossam coro contra Bolsonaro

A  mídia oficial e comercial não informa, mas os sites de noticias pelo mundo dão amplo destaque. Fiquei sabendo pelo amigo Pedro de Coimbra, Portugal e fui conferir a mobilização de torcedores de clubes populares do Brasil em relação as declarações, vistas e revistas, do candidato a presidência da República Jair Bolsonaro. Retiro pequenos trechos do Diário do Centro do Mundo. Quem quiser é só ir lá e conferir.

“A torcida do Flamengo é a mais popular do país (…) é inaceitável qualquer declaração preconceituosa de Bolsonaro e seu Vice Mourão, sobretudo ao que tange a população mais pobre (…) ao se referirem a esta parcela considerável das famílias brasileiras de maneira jocosa e desrespeitosa, consideramos tal atitude uma afronta a torcida do Flamengo, maioria absoluta no Rio de Janeiro e no Brasil.” (trecho da nota dos flamenguistas – DCM 23/9/18)

“O Internacional se destacou desde cedo na sua história pela participação de jogadores negros em campo e entre seus torcedores. Também, o clube foi fundado e jogou os primeiros anos num bairro de maioria negra e próximo a comunidades quilombolas. A alcunha de Clube do Povo não veio por acaso. (…) É uma incoerência que um colorado, que conhece e admira a história de seu clube, apoie um candidato que coleciona episódios de racismo.” (trecho da nota dos colorados – DCM 23/9/18)

A atitude de torcedores das duas agremiações se junta aos de Corinthians e Palmeiras que já manifestaram repúdio conclamando seus torcedores a não votarem no candidato.

Memórias de um sacristão proscrito

 

Lá se vai meio século quando, no dia do aniversário da dona Ilga, fui excluido da sacristia pela simples razão de trocar as bebidas do altar. Havia na frigideire da casa canônica, uma garrafa de cachaça Marumby, junto com as de vinho que, por ocuparem espaço menor do que um garrafão, era colocado em garrafas com rótulos de bebidas variadas, desde a gasosa às cervejas, e claro, a cachaça. Era onde abastecíamos os pequenos cristais, galheteiros para a eucaristia. No lusco-fusco, dei de mão na primeira garrafa que se apresentou. Era a maldita da cachaça. Sem prestar o mínimo de atenção e ao menos desconfiar da presença da intrusa, completei o vinho que restava no reservatório.

Foi numa noite de sábado, minha mãe não costumava ir á missa, nem no dia do seu aniversário. Ficou em casa preparando um jantar de carnes e massas e eu mal podia esperar a hora de chegar para comemorar com a família e mesa farta os seus 44 anos.

Vestido de coroinha, uma batina vermelha e uma túnica branca – sobrepeliz, eu estava concentrado ao lado do altar. Enquanto o monsenhor rezava a missa eu tentava entender a desavença que tive a tarde numa disputa de bolitas, modalidade três covinhas, no pátio do colégio. Perdi um único e raro baletão com o desenho das Três Marias e o Cruzeiros do Sul, o mais cobiçado. Desconfiei da trapaça, o mindinho de um pé desviou a leiteira que lancei com precisão, mas que beirou e não caiu na caçapa. Foi uma armadilha, pensei, e já estava prestes a sair dali para desafiar os inimigos e declarar uma guerra de taquaras, sem precedentes, quando ouvi protestos do sacerdote em meio a celebração. Freiras agitadas na sacristia, a missa parou na eucaristia.

– O vinho virou cachaça, disse a irmã Terezinha

– Milagre, alguém gritou lá de fora

– O Monsenhor tá furioso, parou a missa, disse dona Carlota

– É coisa do demônio, falou o coletor de esmolas

– Quem foi que abasteceu o altar? Perguntou a irmã Zoé

Os olhos se voltaram para o sacristão, já sem as vestes de coroinha e como um raio abandonou o local vestindo bermuda de saco de farinha de trigo, tingida de azul Guarany, suspensórios, uma camisa volta ao mundo e botina de couro esfolado.

Durante o jantar de aniversário a casa foi visitada pelas irmãs, a notícia se espalhou depressa, ceia interrompida, só faltou o sermão do padre. O assunto encerrou quando minha mãe questionou a presença da cachaça na geladeira.

No dia seguinte procurei meus adversários do jogo de sábado para negociar ou declarar guerra. Recuperei o bolitão, no tapa, mas voltou.

 

Ô Aveline, e os trinta mil do Nazário?

 

Praticamente todos os jogos no Estádio Beira-Rio eu tenho nas tribunas de imprensa, a companhia dos jornalistas José Aveline Neto e Olides Canton, dois personagens de história, causos e credibilidade da imprensa gaúcha. Eles têm opinião pra tudo e mais um pouco, furungando a vida dos mortais, sejam ou não celebridades, pouco importa. Passam pelo crivo, são jornalistas da cepa, natos, bem informados.

E foi numa destas “expeculações” em terras distantes que o Aveline se complicou ao fotografar uma festa onde estavam os jogadores brasileiros no Japão. Os atletas, entre eles o Ronaldo Fenômeno, comemoravam a vitória brasileira em uma casa noturna na cidade de Seogwipo, depois de um jogo da copa do mundo de 2002. A vitória foi contra a China , os jogadores foram dispensados naquela noite e partiram pra festa. Por ironia do destino escolheram uma boate bem próxima ao hotel onde os jornalistas estavam hospedados.

A notícia correu a bico fino, de orelha em orelha e sem perder tempo lá estava o Aveline com sua máquina fotográfica, para registrar a confraternização que, por certo, seria publicada na revista Gol, especializada em esportes, da qual ele é proprietário e que se sustenta por quase três décadas e meia no mercado gaúcho e nacional.

O assunto estava quase esquecido quando o Olides questionou:

– Ô Aveline e os trinta mil do Nazário?

É que meses atrás, com 15 anos de atraso, a Justiça determinou para que Ronaldo Fenômeno indenize o jornalista em R$ 30 mil por dandos morais, por ter ordenado seguranças a arrancarem o equipamento de trabalho das suas mãos e danificá-lo. Aveline naquela noite fotografava o Ronaldinho Gaúcho do qual é amigo pessoal, mas o Ronaldão se sentiu incomodado e partiu para o ataque, sem bola. O gol é da revista que vai embolsar a quantia, devidamente corrigida.

O melhor ataque é a defesa

 

Saio do Estádio Beira-Rio, depois de um Inter x Londrina, convicto na zaga colorada. Não que seja a maravilha sonhada pelo torcedor, longe disso, mas é artilheira. Cuesta fez o primeiro gol e Klauss, duas vezes, devolveu ao inter a vice-liderança do campeonato numa tarde-noite em que mais de 36 mil torcedores assistiram uma exibição apenas regular do Internacional. Ainda falta um eito para ser o ideal. Foi um presente de dia dos pais do time que traz no hino um trecho que diz: “papai é o maior”.

 

 

Cada qual com seu Guto

Não é um mau técnico, mas não é o melhor. Coloca em campo um time ideal, que não rende o esperado e quando faz alterações, troca mal. Tanto o Guto como o Zago tem um quê de implicância com o Nico Lopes. O cara é sacado de todos os jogos, quando entra em campo é claro. Aí coloca o Brenner, depois tira o Claudio Wink e mantém o Pottker. Deixa o time mais pesado, os dois judiam a bola e afundam o gramado.

O lamentável trio de arbitragem e o comportamento de alguns torcedores depois do jogo contribuíram para sepultar o espetáculo. O antijogo do Criciúma completarou o sofrimento de um futebol pobre de futebol. Lembrando que retranca e catimba fazem parte do jogo.

Já o técnico foi salvo pelo Klaus aos 48 do segundo tempo. Bota sorte nesse cara, tou falando do Guto. Sobrevida por mais uma semaninha, pelo menos.

Era para ser 7, foram 4, contra 9, mas senti firmeza no 47.

O jogo Inter e Náutico na tarde deste sábado no Estádio Beira Rio em Porto Alegre teve um ingrediente raro no futebol, foram quatro pênaltis bem marcados, dois tiros livres desperdiçados e um gol mal anulado contra um time em frangalhos. O inter não jogou bem, mas goleou o time do Recife num jogo encardido onde o palpite e o palpitar cardíaco subiam e desciam a cada minuto do jogo. Tudo levava a crer que seria uma goleada histórica, mas, logo no início o juiz da partida, que não apitava um jogo de futebol desde fevereiro, anulou um gol legítimo colorado. O bandeirinha sinalizou mal e o árbitro assumiu o erro e penalizou o time gaúcho.

Agora, o mais incrível foi a quantidade de pênaltis no jogo, foram quatro, bem marcados pela arbitragem e o inter não soube aproveitar dois. Resolveu fazer um rodízio de batedores. Pottker (88), marcou o primeiro, D’Alessandro (10) o segundo, os dois gols foram de canhota. Aí na terceira cobrança o ponteiro da roleta cravou no 77 e Marcelo Cirino bateu de direita nas mãos do goleiro Tiago Cardoso. Para reparar o erro no quarto pênalti a roleta foi abandonada e a escolha recaiu novamente no 88. Pottker mudou o estilo de cobrança e o goleiro defendeu. Carlos (11), já tinha marcado o primeiro gol, e Cirino para se reconciliar com o torcedor fechou a goleada de 4 a 2, sim, porque mesmo com nove jogadores, o Náutico conseguiu fazer o segundo gol e encostar no Inter quando o jogo estava 3 a 1. Poderia ter marcado sete gols em cima do time que sempre foi uma aflição para o rival, mas o goleiro adversário foi mais competente. Léo Ortiz que não perde a mania de, na sorte, dar balão para a frente, ao invés de armar o jogo foi quem armou o segundo gol do Náutico.

Mas, em meio a tudo, surgiu uma esperança que entrou nos últimos quinze minutos do jogo e em menos de quatro em campo, tinha chutado duas vezes contra a meta do Náutico e sofreu o último pênalti. Juan, o 47, que veio da base e fez a sua segunda partida entre os titulares, é a esperança  colorada na temporada. Gira a bola e distribui o jogo tal qual D’Alessandro. Senti firmeza, este promete.

O Piffero merece uma estátua na Arena Tricolor

A gestão de Vitório Piffero foi tão maléfica ao Internacional, e ao mesmo tempo tão benéfica ao Grêmio que o agora já ex-presidente colorado, já que Marcelo Medeiros, da chapa opositora, foi eleito, no sábado, com uma enxurrada de votos, deveria ser homenageado pelo tricolor.

Não precisamos fazer nenhum esforço de memória para concluirmos que duas das três alegrias da torcida gremista em 2016 foram proporcionadas pelo Inter e seu então presidente.

Quem não lembra que na semana de um Gre-Nal o Piffero mandou embora o técnico Diego Aguirre por birras gratuitas, assim como teve com Mano Menezes e tantos outros. Como resultado o Colorado amargou um histórico placar de 5 a zero. O Vitório entregou de mão beijada a vitória para o Grêmio, por goleada.

A última grande alegria veio ontem, o anunciado rebaixamento do Internacional para a série B do futebol brasileiro. Desde a última quarta-feira os gremistas são só alegria, uma delas proporcionada, novamente pelo Píffero que por se considerar acima de tudo acabou rebaixado. É a soberba levando uma goleada. Vitório, mesmo sendo Vitório, é um perdedor.

Sai pela porta dos fundos, mas merece uma estátua, igual aquela que tem do Fernandão no Beira-Rio, só que na Arena Tricolor.

Sofrer por dentro, calado

Pai e filho assistiam na televisão as últimas notícias sobre o pacote do Governo do Estado propondo a extinção de fundações e autarquias no Rio Grande do Sul, quando o pai não se conteve e largou um sonoro – CRÁPULA.

Com olhar surpreso o filho indagou:

– Porque você votou nele então?

– Porque ele disse que ia mudar

– O quê?

– Tudo meu filho, tudo

– Mas ele tá mudando, cumprindo com o que prometeu

– Mas não deste jeito

– Mas ele explicou o jeito que ia mudar?

– Não filho, não explicou

– Então porque você votou na proposta dele?

– Porque ele me fez pensar assim, mas agora vi que fui enganado

– Mas lá na tua repartição todos votaram nele também

– Sim, a maioria prá não dizer a totalidade

– E agora ele vai acabar com a fundação onde você trabalha e ainda vai te mandar embora

– É o que andam dizendo filho

– Você sempre reclamou do teu salário mesmo, qual é o problema?

– O problema é que vou ficar sem salário embora fosse uma merreca

– Mas você disse que ultimamente não via a cor do dinheiro

– Não, eu não via a cor do salário porque o dinheiro vem em conta-gotas, parcelado

– Mas ele prometeu na campanha que ia parcelar os salários?

– Não, ele não prometeu, aliás, não prometeu nada, não apresentou plano algum

– E vocês votaram nele mesmo assim…

– É filho, foi um lapso

– A tia Veroca bem que avisou

– Mas ela é petralha

– Mas os petralhas não parcelavam os salários

– Sim, isso é verdade, todo o final de mês tava lá na conta, valor integral

– Mas lembro que você vibrou quando o deputado Jardel votou pelo aumento de impostos para pagar em dia os salários dos servidores

– Não lembro disso meu filho

– Sim, você gritou aí nesta mesma poltrona que foi mais um golaço

– Ah, força de expressão porque ele foi meu ídolo no Grêmio

– Você votou nele também, não votou?

– Sim, votei

– Nessa ele errou o cabeceio como diz a tia Veroca, os salários continuam batendo na trave e respingando na rede

– Pois é!

– E agora pai, como vamos sobreviver?

– A gente dá um jeito

– Vou ter que sair da escola particular?

– Era o que eu iria mesmo te falar, temos boas escolas públicas

Aí entra o noticiário nacional da televisão anunciando que o Governo Federal assina medida provisória com mudanças na política para a educação

Os dois ouvem calados que, entre outras coisas, o ensino gratuito deixa de ser prioridade

O pai sofre calado, olhando o boneco do pato na mesa de canto da sala, o nariz de palhaço e a máscara do japonês da federal, que usou nas manifestações a favor do impeachment, dependurados na parede

Na manhã seguinte o filho sai para arrumar um emprego, já com planos de abandonar o ensino fundamental.

 

 

Inter busca titulo inédito

É muita teimosia por metro quadrado. O seu Roth veio para buscar um titulo inédito para o internacional, mas acho que ele não terá esta competência toda. Enfim, não ter plantel é uma coisa, não saber escalar é outra. O consolo dos colorados é que temos o Ânderson, especialista em série B.

Boa viagem pelos gramados brasileiros nunca antes pisados, pelo Campeão de Tudo. Piffero, te iguale ao rival e busque este tão sonhado titulo que falta para o clube, porque entendemos que, na tua avaliação, este é mais fácil de buscar, se não cruzar com o Mazembe é claro. .

Vá se seja feliz com o teu amado técnico e o teu amado atleta do coração.

O torcedor fez a sua parte, mas vocês estragaram tudo.

Parabéns!

O problema do Inter não é o Celso Roth

 

Tem quem teve a coragem de insinuar que a vergonhosa atuação do Inter, no jogo do Beira-Rio neste sábado, contra o Santa Cruz, pudesse ter passado pelos pés do William. Primeiro porque nenhum colorado soube ao certo qual era a posição do jogador na partida. Vi ele jogando mais como centroavante, pasmem, um lateral-centroavante é o – dois em um – inventado pelo técnico que também inventou contra o Mazembe e que entregou o segundo titulo mundial de mão beijada e com um pedido de desculpas.

O William não tem culpa de nada, ele virou um coringa do técnico Celso Roth que para não dar oportunidade ao Seijas, talvez por questões pessoais, improvisa um lateral no ataque. Vi o William apoiando na sua posição de origem e vi o Willian tentando fazer gol, e quase marcou, não fosse a bela defesa do goleiro pernambucano.

O inter perdeu feio, sim, perdeu, pois empatar com o lanterna do brasileirão em casa com 35 mil colorados no estádio é sabor de derrota.

Aí vai culpar o técnico, o Eduardo Henrique que foi expulso? Não é bem assim. Vaiar faz parte do jogo e está no contrato tanto do técnico como do jogador. O Roth não tem culpa, culpado é quem o contratou.