“O gênio do fascismo saiu da garrafa e agora não conseguem colocá-lo de volta”

É lúcida esta definição do governador do Maranhão, Flávio Dino, fazendo ponderações da classe política e social brasileira no momento em que se vive uma turbulência indefinida sobre os rumos da Nação. Se chegou onde se chegou por conta de uma total falta de coerência ao discurso e obediência à cartilha política redigida pelas bases. Se ela fosse respeitada não chegaríamos a tanto. Tenho certeza que a grande maioria entende que quando se ocupa uma nova casa, uma nova proposta e um novo modelo devem ser implantados. Troca-se móveis, pintura, espelhos, até a casa do cachorro muda de lugar. Os antigos ocupantes devem levar toda mobília e um bruxo ser chamado para eliminar todos os males e seus fantasmas.

Se isso não for feito, o espírito continuará assombrando e agindo na calada da noite, com os antigos moradores, em pele de cordeiro, dando as cartas, como velhas raposas que conhecem bem o território e cada divisão das paredes, do pátio, bem como os caminhos das tubulações obscuras por onde evade a cacaca de quem se alimenta à mesa da rapinagem e faz o mau uso da coisa pública.

O certo é que os antigos donos nunca deixaram a casa, continuaram dando as cartas na jogatina das madrugadas, com o aval dos novos proprietários que, atraídos pela funcionalidade do novo lar, esqueceram-se da lição de casa e passaram a compartilhar das mesmas regras, do mesmo jogo.

Um dia uma criança curiosa sobre no sótão e encontra uma garrafa estranha, tenta limpá-la esfregando o pó com as mãos e dela surge uma nuvem de fumaça trazendo dentro dela um gênio, genioso, que sai aprontando por aí. O problema vai ser colocá-lo de volta, se a casa do gênio não for encontrada. O menino pode ter quebrado a garrafa.

 

O futebol tem plano Real

É uma história macabra, que aconteceu num lugar não muito distante evidenciando que quando se está no comando o leme define o destino e o mapa da navegação. Poucos se ariscam, nem mesmo a mídia, a contar a história real, mesmo que a fábula tenha se passado diante de tantos olhos e o seu roteiro foi absurdamente alterado no final da última cena, no fechar das cortinas, ou, no apagar das luzes.

O caso foi o seguinte:  O plano de um juiz de futebol que apitou um clássico na serra gaúcha na tarde de um domingo de março era afogar a equipe visitante já no túnel de acesso ao campo. A ideia não deu certo porque a água acumulada pela chuvarada que caiu na madrugada foi escoada a tempo.

Então o segundo plano era ficar com a mala preta, sem dividir com os seus auxiliares. Como o time da casa não se ajudava, mesmo com a ruindade do visitante, nos acréscimos do segundo tempo o árbitro viu a grande oportunidade para dar o golpe de mestre. Marcou um pênalti que só ele viu e na sequencia se fez de cego e surdo. Não ouviu os apelos dos auxiliares e embolsou, sólito, a recompensa.

Um  torcedor na arquibancada virou para um amigo mexicano e exclamou:

– Don Diego, isso não é Real!

 

Senhores azuis, por onde andam?

Na manhã de sábado, Avenida Azenha trancada porque um destes caminhões de concreto bloqueava uma pista inteira, dentro um cercado de cones. Ouvi um dos operadores do caminhão responder a uma senhora que lá, ele se encarregavam em sinalizar a pista:
– Assim sobra tempo pros azuizinhos se preocuparem com a cidade, justificou o camarada.
Ao chegar na Redenção, que aos sábados reúne boa parte da cidade que visita as feiras e o parque, novamente uma tranqueira. Desta vez eram dois carros, no estacionamento duplo ocupando cada lado da pista. Os outros veículos precisavam fazer um zig-zag para passar. Lá não tinha Azulzinho  para comandar o transito e sim um flanelinha.
No centro encontrei, por acaso, um lugar para estacionar perto do Mercado Público. Mal desci do carro e lá estava outro flanelinha, que não vi de onde tinha saído que já foi me avisando.
– Deixa cinquinho pro carro ficar bem cuidado.
Neste trajeto todo o que eu não vi foram os tais azuizinhos cuidando da cidade, porque os flanelinhas e o operador da Concremix, comandando o trânsito e fazendo o patrulhamento e sinalização das ruas, eu já conheço. 

Como discutir uma aposentadoria aos 65 anos?

Eu até posso discutir a aposentadoria aos 65 anos de idade se ela valer também para juízes, desembargadores, procuradores, servidores públicos em geral e que as aposentadorias sejam iguais as que são pagas pela previdência, com um teto em torno de cinco mil e poucos reais. Ah, e pelo fim das aposentadorias de senadores, deputados, governadores e presidentes da república. Somos todos trabalhadores, tanto no gabinete climatizado como abrindo buraco no asfalto, este sem emprego garantido. Nenhum é mais que o outro, vamos deixar de lado estas diferenças e se respeitar tá bom? Assim podemos iniciar uma conversa, caso contrário, não!

E olha que não estou discutindo as mordomias.

A melancólica pauta positiva da mídia

Confesso que pouco assisto noticiários de TV, mas quando resolvo ver, lá está o Temer, vendendo ilusões de um país perfeito. O espaço que a mídia tem reservado à pauta positiva para divulgar as falácias palacianas é de uma total melacolia, pra não dizer mediocre.

Ou alguém acredita que o Michel vai mesmo dispensar seus ministros citados na Lava Jato, ou se ele próprio vai se autoafastar quando for notificado?

Porque então blindou o Moreira Franco sabendo que ele foi citado dezena de vezes nas chamadas delações premiadas?

Vai largar de mão o Padilha, seu abre alas? Ou o Jucá e o Gedel que saíram sem arredar pé do poder e continuam influenciando os blocos da concentração à dispersão.

O Alexandre Moraes que vai comandar o Supremo para desligar a Lava Jato e livrar o poder do banho de lama maior que o da Samarco em Mariana.

Alguém duvida que muito em breve o Temer será oficializado âncora dos telejornais?

Eu não duvido mais nada.

O segundo golpe está em marcha, agora com a anuência e o domínio total da mídia. Sugerimos que a tela da TV seja em forma de xadrez.

Ladrão Cortês

Depois de ouvir vários relatos e sentir na pele o trauma de dois assaltos e me deparar no meio de um fogo cruzado na Avenida Érico Veríssimo em porto Alegre em apenas um ano, concluo que alguns integrantes do seleto grupo de ladrões, larápios e meliantes vem se mostrando altamente cortês com a clientela. Uma minoria que está se especializando em atender bem com ações sem o uso da violência e com uma certa cortesia.

Vejamos dois exemplos:

Dona Dorinha foi assaltada no estacionamento de um supermercado, lodo depois de colocar as compras no porta-malas.

Ladrão – Mantenha-se calma minha senhora, trata-se de um assalto

Dorinha – O que-que’u faço?

Ladrão – Passe a chave, a bolsa e o celular

Dorinha – Estou tremendo, nunca passei por isso antes, pega a chave o resto tá na bolsa

Ladrão – A senhora está bem?

Dorinha – Preciso tomar o meu calmante

Ladrão – Está na bolsa?

Dorinha – O rivotril

Ladrão – Um ou dois?

Dorinha – Me da o vidro todo, prefiro morrer

Ladrão – Fique calma minha senhora, nada vai lhe acontecer

Dorinha respirou fundo, colocou o comprimido na boa e bebeu da garrafinha de água do ladrão, que por ele foi alcançada

Dorinha – Moço, e as minhas compras?

Ladrão – Não posso fazer nada, assalto é assalto

Dorinha – Mas o meu neto vai ficar sem o Yakult

Ladrão – Vamos combinar o seguinte: Eu vou levar o carro para um serviço que preciso fazer, depois vou deixa-lo num lugar bem perto daqui com o Yakult do seu neto

Dorinha – Mas tem a lasanha, as pastas, as carnes e o meu creme rejuvenecedor que acabei de comprar na farmácia?

Ladrão – Tá bem, eu deixo o creme, o resto não tem negociação.

 

O segundo exemplo ocorre noutro lado da cidade horas depois, um carrão tem a frente cortada por outro carrão numa rua sem muito movimento, mas habitada pela nata da sociedade. Desce um ladrão do carro e vai avisando:

– Perdeu!!! Fique calma que não vai acontecer nada, só queremos o carro

A senhora desce, retira a criança do bebê conforto e se afasta

Ladrão – Por favor, a bolsa

Senhora – Ah, sim, costume de andar com ela dependurada

Ladrão – Valentino? Deve valer uma nota

Senhora – Mais alguma coisa? Posso ir?

Ladrão – E o celular?

Senhora – Tá no painel do carro

Ladrão – Desculpa senhora, é a crise que se agrava, não tá fácil prá ninguém. Tenha uma boa noite!

Senhora – Vou tentar

A dúvida é se os ladroes andam frequentando algum curso de MBA para melhorar o desempenho nos assaltos, aprimorando formas de gentileza com as vítimas. Certamente são profissionais que buscam um novo patamar em suas carreiras. O segredo é manter a calma e acalmar a vítima e negociar alternativas para que a vítima sinta-se segura, embora se trate de um assalto.

A criatividade chega ao poder paralelo, afinal o crime é organizado e é preciso ser ousado para ganhar mercado.

 

 

No reino da Michelândia

Pois dizem que o Temer quer usar o Gilmar Mendes pra se aproximar da Cármen Lúcia.
Gilmar é o cupido da nação e pode salvar a relação!
 
Aliás, vamos respeitar o linguajar, o Temer não vai usar, vai cooptar o Gilmar.
 
Enquanto o encontro não vem o Temer controla a ansiedade no chazinho da Marcela.
 
Quando o encontro chegar Temer vai dizer que só quer a capa da Cármen Lúcia
– Senhora Ministra, vamos direto ao assunto, eu só vim buscar sua capa emprestada.
Sim, o Temer pode até voar sem capa, mas com capa ele vira justiceiro, já que os verdadeiros justiceiros da capa preta não decolam.
 
E só pra contrariar a curadoria, o casal MMs, Marcela e Michel, está mudando a decoração do Palácio da Alvorada.
 
Marcela não gosta do vermelho nem do sofá preto, nem do Inter, nem do Flamengo
Fora tudo o que é vermelho
Fora Niemeyer
Fora Lula
Fora Dilma
FICA TEMER!
 
Modificaram até a fachada o palácio da Alvorada. Colocaram uma tela de proteção pro Michelzinho não cair do segundo andar. O filho do Jango, os netos do Sarney e do Fernando Henrique, moraram lá e nunca despencaram.
A tela é pro Michelzinho não seguir os caminhos do pai que despenca nas pesquisas.
 
Andam falando que a tela tem outra finalidade não revelada, mas eu fiquei sabendo por uma das fontes dos jardins do Alvorada e vou revelar em primeira mão:
 
É que em noites de lua cheia ela impede que o Michel saia voando por aí e se perca nas matas ou se afogue no Lago Paranoá ou se esfole no cerrado.
Já pensou o presidente esfolado no cerrado.
 
O pior é a explicação:
– Dona Marcela anda furiosa excelência?
– Não, foi apenas um escorregão numa garrafa deixada pelo Lula.
Sim, o Lula tá em todas, é o Cristo açoitado.
É tudo culpa do Lula, ele bebe e o Michel é quem se esfola.
 

STF entre a desmoralização e o entreguismo

Ao deixar o presidente do Senado e os seus pares de mesa tripudiarem de uma decisão do ministro Marco Aurélio Mello que afastava Renan Calheiros da presidência da Casa por ser réu por corrupção, o Supremo Tribunal Federal – STF, perdeu o ou a moral, tanto faz, eles que são grandes que se entendam, afinal, foi feito gato-sapato e colocou a Justiça num jogo de cabra-cega. Isso dá uma série de motivos para interpretações, entre elas que a Justiça só é cega quando lhe convém. Cada um que pense do seu jeito, mas oque os leigos aqui do outro lado pensam não tem nada a ver com os autos do processo e sim com a auto-interesse

A conclusão é a de que quem sai perdendo mesmo são os oficiais de justiça que ficam sem moral para notificar alguém a partir dos fatos de Brasília e o povo brasileiro que vê todos os seus direitos devorados pela PEC que na semana que vem será aprovada no Senado. Parabéns aos que colaboraram para que o Brasil chegasse a este ponto. Preparem seus lamentos, porque suas panelas não servem para mais nada.

O cabinho da Apple e o da maçã

Você já parou para pensar a importância do cabinho para a maçã?

Ele já brota nela, aliás, vem antes dela nascer. É o embrião, o cordão umbilical da maça e com aquele tamanhozinho faz dela grande e saborosa. É pelo cabinho que passam todas as vitaminas e sais minerais da fruta, o cabinho transporta água, muita água, é uma canalização gota a gota que não precisou de nenhum trabalho de engenharia hídrica para projetar sua função.

O cabinho acompanha a maça durante todo o seu ciclo, e mesmo depois que ela sai do galho ele fica com ela até que alguém resolve arrancá-lo com uma faca, limpar a flunfa que se forma no umbiguinho, devorando, picando ou moendo o seu conteúdo num liquidificador.

O cabinho é fiel à fruta e não fosse ele a lei da gravitação não teria sido formulada por Newton pois a maçã não teria despencado na hora certa na cabeça certa, o que seria um desastre para a física.

O cabinho, no entanto, não pode ser imitado. Steve Jobs que criou a Apple e não conseguiu (?) dar qualidade ao assessório que alimenta o aparelho. O carregador da bateria do telefone é um equivoco da industria eletrônica. Precisa ser trocado a cada seis meses, talvez nem chegue a tanto, a um preço de mais ou menos dez por cento do valor do telefone. Se a Apple acertou na qualidade da maça, errou no cabinho. Ou o equivoco é proposital?

 

Memórias de um guri letrado na Cartilha do Guri

As tardes na infância eram longas, os dias eram intermináveis, as semanas demoravam meses, os meses em anos e os anos pareciam séculos que não acabavam mais. A transição no calendário era demorada, a folhinha das datas custava cair. O outono era outono, inverno era inverno de verdade, a primavera tinha jardins imensos nos canteiros da frente ou ao longo do patio das casas, formando corredores que iam da porta de entrada ao portão da estrada.

A grade mesa de madeira nobre, um angico ou talvez um louro ou grápia, ocupava maior parte da varanda, rodeada com cadeiras de palha de junco, ou de balanço, de vime trançada, que rangia conforme o peso de quem nela se acomodasse para uma cesta depois do almoço.

As tardes de segunda e de terça eram preguiçosas e mormacentas. O ar parado concentrava de forma, ás vezes irritante, o canto das cigarras nas cerejeiras, num zunido ensurdecedor. A vaca mugia no pasto chamando a cria para aproveitar a sombra de um cinamomo e se proteger do sol que castigava várzeas e coxilhas. O calor que evaporava da terra formava uma espécie de labareda por onde cruzavam formigas cortadeiras que levavam para um ninho próximo as folhas de uma grande roseira branca que se erguera na coluna de madeira e se debruçara de um lado ao outro do oitão da casa.

Debaixo de um pé de plátano as galinhas e os galos descansavam acomodados no vão das raízes enquanto as ninhadas de pintos de duas ou três semanas caçavam insetos num tapete de avencas esparramadas no barranco perto do rio. A água corrente e barulhenta do lajeado de pedras era um convite a não fazer nada.

O lanche da tarde era uma fatia de pão de trigo ou de milho,queijo,salame, um naco de doce de pera e limonada. Biscoito de manteiga e bolachas cobertas de glacê, salpicados com açucar colorido eram reservados para as visitas.

Na cabeceira da mesa a varanda, um menino de suspensórios e cabelo cortado ao estilo cadete tentava concertar a capa solta da Cartilha do Guri. Usava o pegajoso âmbar recém extraído do tronco de uma ameixeira para colar as partes que se soltaram. Era uma cola natural e eficiente também para selar envelopes de cartas.

As 54 páginas da publicação das edições Tabajara de 1962 eram intermináveis e um grande desafio para quem estava iniciando nas letras. Era pela cartilha que se transitava entre as hipóteses de escrita pré-silábica, silábica e, com muito custo, mal se chegava ao nível silábico alfabético. Era um ano inteiro tentando entender o que se passava naquelas folhas escritas, pontuadas e desenhadas. Escrever bola e bota era uma enorme dificuldade. Como que dois objetos diferentes tinham escritas tão iguais?

Pato e pote então era um martírio, mas ficava mais fácil entender quando se associava que o pato come no pote. Estas comparações, no entanto,não serviam para boi e formiguinha. O boi enorme tinha só três letras e a formiguinha era uma carreirinha sem fim. Ficava mais fácil aprender que a palavra era compridinha quando se cantava – a formiguinha vai na carreirinha levar comidinha pra sua filhinha –

Calculo que os professores e pesquisadores da escrita aprovariam esta musiquinha da formiguinha no processo de alfabetização guris e gurias preguiçosos em sala de aula. Também era uma forma de despistar as tardes de sono em cima da cartilha e do caderno sobre a mesa na varanda do casarão de madeira onde nenhuma brisa soprava para refrescar a memória ou acender os ânimos da pobre criança que suava para aprender o bê-a-bá.

As mães e as tias mais velhas, pouco letradas tentavam dar uma forcinha e soletravam letra por letra em voz baixa até formarem uma palavra. Assim, Olavo era desmembrado em: O – l – a – v – o, que virava: Oooola-vo, pra finalmente se unir numa só, e Olavo virava motivo de orgulho para quem pronunciava por inteiro. As frases formadas por meia dúzia de artigos e palavras eram tão demoradas para serem decifradas que quando chegasse à última, a pessoa já tinha se esquecido da primeira. Dava tempo de correr para tomar um banho no rio e voltar.

Se havia dificuldade em aprender a ler e a escrever com tanta coisa a observar ao nosso redor, tínhamos ao menos, a convicção e a certeza que as flâmulas na parede da sala pertenciam ao Internacional, o Palmeiras e o Vasco da Gama os times de coração do meu pai. E no alto da porta da varanda uma faixa bordada em tecido anunciava que “Nesta casa mora um casal feliz”. Não se sabia o significado das letras, nem se elas estavam em ordem dentro da frase, o importante é que todos pronunciavam o que estava escrito com a maior perfeição do mundo.

Só resta agradecer as professoras Lia de português e Rita de matemática e pra não esquecer repetir a máxima de criança que não gostava da escola e fazia rima pra passar o tempo:

“Se lia na aula da Lia e se irrita na aula da Rita”.

Muito obrigado às duas que marcaram a infância de guris e gurias em cima de cartilhas e de cadernos pautados e quadriculados. Vocês foram nossos guias.